Número de feridos em rompimento de adutora no Rio sobe para 16

Vinícius Lisboa
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – Subiu para 16 o número de feridos no rompimento da adutora da distribuidora de água Cedae, na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. O incidente ocorrido na madrugada de hoje (30) também provocou a morte de uma criança de três anos de idade, que se afogou com o grande fluxo de água e teve parada cardiorrespiratória após ser socorrida pelos bombeiros. Nove dos feridos foram encaminhados ao Hospital Rocha Faria, em Campo Grande, e os demais liberados no local.

O rompimento da tubulação, na Estrada do Mendanha, fez com que um fluxo de 3 mil litros de água por segundo jorrasse sobre casas da região. Muitos moradores inicialmente pensaram que era chuva quando a água começou a bater nos telhados. Só depois perceberam que o jato era muito forte. Trinta e três casas foram atingidas, 17 desabaram e outras 16 tiveram algum tipo de dano. Pelo menos 17 pessoas estão desalojodas. As informações são dos bombeiros que realizam o atendimento às vítimas.

O mecânico Agilson da Silva Serpa, de 42 anos, conta que estava em casa com a esposa, o cunhado e a enteada de 8 anos. “A água começou a bater no telhado e pensamos que era chuva. Mas estava muito forte. Tentamos nos abrigar no banheiro, mas as paredes da casa começaram a cair. Aí tentamos sair, mas fomos levados pela correnteza”, conta o morador, que teve ferimentos nas pernas, no rosto e no braço.

Segundo ele, a correnteza foi tão forte que fez com que os familiares se perdessem e só se reencontrassem 30 minutos depois. As outras três pessoas que estavam na casa tiveram que ser encaminhadas ao hospital. Agilson conta que três carros que estavam sendo consertados por ele foram destruídos.

O diretor de Produção da Cedae, Jorge Briard, disse que as pessoas que tiveram suas casas danificadas serão alocadas em hotéis ou motéis de Campo Grande para ficarem próximos de suas casas. Eles terão alimentos e medicamentos fornecidos pela empresa e pelo governo fluminense.

Técnicos da Cedae já estão fazendo mapeamento dos danos e prejuízos são causados. As casas serão reconstruídas e os pertences perdidos serão restituídos, segundo Briard. O trabalho de reparo da tubulação deve ser concluído até o final da noite de hoje. De acordo com a Cedae, o abastecimento em outros locais da cidade não sofrerão impacto, mas os moradores de Campo Grande devem ter alguma restrição no fornecimento. O abastecimento de água na região deverá ser normalizado até o início da madrugada de amanhã (31).

Nesse momento, os bombeiros continuam o trabalho de resgate de pessoas que ficaram ilhadas em decorrência do alagamento provocado pelo rompimento da tubulação. Alguns moradores estão protestando contra o governador, Sérgio Cabral, e o prefeito, Eduardo Paes. As duas autoridades estão se deslocando para a área. Um dos moradores segura uma placa com os dizeres “Até quando vamos aguentar tantas tragédias?”.

Notícias Relacionadas