Francisco faz o mais longo discurso desde que assumiu o pontificado em encontro com religiosos

Vinícius Lisboa
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – No discurso mais longo desde que assumiu o pontificado, em março, o papa Francisco apelou hoje (27) aos líderes da Igreja Católica Apostólica Romana no Brasil que usem a inspiração para pregar a religião, respeitando a laicidade do Estado e contribuindo com a sociedade. Francisco discursou durante encontro com religiosos da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e vários segmentos da Igreja, no Palácio Arquiepiscopal de São Joaquim, na Glória.

No encontro com o papa, participaram 300 integrantes da CNBB e mais de 400 bispos. O porta-voz do Vaticano e diretor da Sala de Imprensa, padre Federico Lombardi, disse que o papa deve usar o mesmo tom durante o encontro que terá amanhã (28) com o Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam), formado por bispos da América do Sul e do Caribe cuja sede é em Bogotá, capital da Colômbia.

“[O discurso de hoje na CNBB] foi o mais longo do pontificado até agora. Penso que o discurso de amanhã [para o Celam] pode ser algo similar. Nesta viagem, o papa tem o desejo de falar aos bispos do Brasil e da América Latina de uma maneira muito forte, ampla e inspiradora, orientando sobre a missão da Igreja na região”, disse o porta-voz.

Lombardi lembrou que Francisco defende a “cultura do encontro” que é a busca do consenso e de acordos, por meio do diálogo. “A religião não tem que ser excluída, de ter presença ativa e propositiva da sociedade. A religião não tem que ser superior nem impôr sua presença, mas tem que dar sua contribuição de maneira positiva”, disse o porta-voz.

O porta-voz acrescentou que:  “A missão da Igreja hoje e os problemas atuais foram expressados de maneira muito honesta e concreta [pelo papa Francisco], mas sem medo e com esperança de continuar o caminho”.

Lombardi analisou ainda o discurso de Francisco sobre a laicidade do Estado, no Theatro Municipal do Rio. O Brasil é um Estado laico em que o país oficialmente é neutro em relação às questões religiosas.

“Há, principalmente, na Europa uma ideia que vê a laicidade, como a religião, totalmente de fora da vida pública e sem função ativa na vida da sociedade. Mas, há também uma laicidade que é capaz de tomar contribuições de todos os componentes da sociedade, entre eles, as organizações religiosas. É o mesmo que o Bento XVI dizia nos últimos anos. Liberdade religiosa é a liberdade da religião de dar uma contribuição ativa e positiva à sociedade”, ressaltou o porta-voz.

Lombardi elogiou a encenação da Via Sacra ontem à noite, na Praia de Copacabana, e disse que Francisco gostou particularmente das adaptações dos textos à realidade atual do mundo. “O papa gostou muito da Via Sacra e do esforço de atualização dos significados para os jovens e para o mundo de hoje”.

A encenação da Via Sacra, que representa o caminho feito por Jesus Cristo carregando a cruz, sendo humilhado até a crucificação, incluiu temas, como a evangelização no mundo digital, a prisão e o desemprego de jovens, a inclusão de deficientes físicos, o respeito a minorias, o aborto e a dependência química.

Notícias Relacionadas