Grupo de manifestantes rompe bloqueio da polícia e se concentra ao lado da entrada C do Maracanã

Akemi Nitahara
Agência Brasil

Rio de Janeiro – Um pequeno grupo de manifestantes conseguiu passar pelo bloqueio policial feito no entorno do Estádio Jornalista Mario Filho, o Maracanã, onde às 19h Brasil e Espanha decidem o título da Copa das Confederações. Eles se concentraram ao lado da entrada C do estádio e carregam faixas com frases: “Fora Cabral”, referência ao governador do Rio, Sérgio Cabral, e “Somos Todos Aldeia Maracanã”, em relação ao prédio do Antigo Museu do Índio ao lado do estádio.

O dentista Carlos Henrique Guimarães disse que conseguiu romper o bloqueio porque mora perto do Maracanã. “Pedimos a melhora nas condições da educação, o investimento de 10% do PIB [Produto Interno Bruto] para educação; contra a remoção dos índios da Aldeia Maracanã; além de melhoria na mobilidade urbana, segurança; e contra o modo como a polícia tem agido nas manifestações e nas favelas”, disse.

A advogada Marilea Ormond, que trabalha no Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado do Rio de Janeiro (Iaserj) há 46 anos, veio ao Maracanã para protestar contra o fechamento do Hospital do Iaserj, na Avenida Henrique Valadares, no centro. Ela está acompanhada da mãe, dona Jacira dos Santos, de 95 anos, que era paciente do Iaserj.

“Estamos aqui em nome da saúde pública e contra o genocídio estadual dentro dos hospitais. O governador mandou retirar os pacientes do Iaserj para demolir o hospital, conseguiu acabar com 500 leitos e 44 especialidades médicas”, declarou.

Notícias Relacionadas