Arena Fonte Nova não dá segurança ao torcedor e Wagner se omite

Problema causado por erro de projeto  tornou a cobertura uma verdadeira piscina após as chuvas. Foto: Reprodução/Globoesporte)
Problema causado por erro de projeto tornou a cobertura uma verdadeira piscina após as chuvas. (Foto: Reprodução/Globoesporte)
LUÍS AUGUSTO GOMES

Em qualquer país que não fosse uma república de bananas, um episódio como o rompimento da cobertura da Fonte Nova por acúmulo de água já teria determinado a interdição do estádio e uma investigação técnica rigorosa para que fosse novamente liberado ao acesso do público.

O governador Jaques Wagner, maior autoridade do Estado e, por consequência, maior responsável pela segurança de seus cidadãos, apenas reconheceu que “aquilo não podia acontecer” e que “água só empoça em telhado mal feito”, mas não anunciou qualquer medida preventiva ante tal constatação.

Está claro que, incrivelmente, falam mais alto nessas horas os interesses empresariais. A Fonte Nova Negócios e Participações, pelo diretor de Engenharia, José Luís Góes, minimiza o incidente e o atribui a “falha humana”, garantindo não ser “nada ligado a um problema estrutural”.

O governo Wagner, pelo lado político, teme que vá, literalmente, por água abaixo o único “legado da Copa” entre tantos com que se comprometeu.
O governo Wagner, pelo lado político, teme que vá, literalmente, por água abaixo o único “legado da Copa” entre tantos com que se comprometeu.
O governo, pelo lado político, teme que vá, literalmente, por água abaixo o único “legado da Copa” entre tantos com que se comprometeu. O consórcio OAS/Odebrecht luta para manter sua fonte de lucro, já neste início gravemente abalada pela crise do Esporte Clube Bahia.

Nenhum dos dois quer enxergar o óbvio: a massa d’água que desabou de cerca de oito metros de altura sobre parte das arquibancadas do estádio pesa toneladas, pois foram milhares de litros. Destruiu ou causou danos em pelo menos 30 cadeiras, ou seja, se fosse em dia de jogo, poderia ter ocorrido mais uma tragédia anunciada.

Consórcio nega erro de projeto desde o início

A possibilidade de ter havido um erro de projeto na cobertura, inclusive retardando em dois meses a instalação, foi levantada por este blog em matéria de 5 de janeiro, intitulada “Fonte Nova seria coberta com ‘armengue’”.

Citando uma “fonte intimamente ligada ao empreendimento”, o texto se referia ainda à inviabilidade de nova encomenda à fabricante mexicana a tempo da Copa das Confederações, programada para junho.

Dois dias depois, o consórcio construtor encaminhou e-mail a este blog em que não desmentia nenhuma das informações, limitando-se a elogiar a tecnologia empregada na fabricação e a utilização de equipamentos similares na Polônia, Argentina e mesmo no Brasil – casos do Maracanã e do Mané Garrincha.

Equipe sabia do risco de acúmulo de água – Desde então, o assunto foi insistentemente abordado neste blog, com novas informações, e até alguma repercussão da imprensa – A Tarde e os sites Bahia Já, Bahia em Pauta e Jornal da Mídia –, mas não houve, por parte das autoridades, qualquer iniciativa para avaliar a situação e tranquilizar a população.

Ainda no dia 7, reiterando o erro de projeto que impediu a adaptação da cobertura à estrutura de sustentação, perguntamos, inutilmente: “Vai ou não ser instalada uma peça não prevista no último arco da cobertura para compensar a diferença da membrana?”

No dia 17 de fevereiro, Por Escrito informou, sem contestação pelo consórcio, na nota “Mais problemas com a cobertura da Fonte Nova”, a contratação da empresa norte-americana 3M, com experiência em colagem de foguetes especiais, para tentar uma solução.

No texto seguinte, “Solução não serviria para a Copa do Mundo”, dissemos que a equipe do projeto da Fonte Nova, embora aceitasse uma medida emergencial, não manteria o improviso por temer “eventual excesso de água sobre a cobertura – cada folha pesa 1,5 tonelada”. (Por Escrito)

Leia também:

Notícias Relacionadas