Estudo chinês mostra mutações no vírus da Aids

AGÊNCIA ANSA

Xangai – A imprensa chinesa publicou hoje que o vírus do HIV poderia se reproduzir e sofrer mutações dando origem a novos subtipos de vírus, destinados a se desenvolver principalmente entre os homossexuais que levam uma vida sexual promíscua, se referindo à descoberta feita por cientistas da Universidade Fudan, de Xangai.

O estudo foi realizado por especialistas chineses analisando o comportamento de 100 homossexuais soropositivos e dos 1.534 homens que foram seus parceiros sexuais nos últimos três anos.

De acordo com pesquisas mais recentes, conduzidas na Funlan, se duas pessoas com diferentes subtipos de HIV têm entre si comportamentos sexuais sem proteção, os dois subtipos de vírus podem por sua vez se recombinar, dando origem a novas formas.

Na China, há cerca de 18 milhões de homossexuais. O sexo desprotegido se tornou o principal veículo de propagação da Aids no país e a porcentagem de gays infectados está aumentando.

De acordo com um levantamento realizado em 2008 pelo Ministério da Saúde em 61 cidades, a taxa de infecção entre os gays foi de 4,9% e, em cinco delas, essa taxa superou 10%, atingindo um pico de 20% em algumas outras. Em 2012, um estudo descobriu que a taxa de infecção do HIV entre os homossexuais no país é de 6,7%. (AnsaLatina)

Notícias Relacionadas