Passeata na Avenida Paulista pede saída de Renan Calheiros

Daniel Mello
Agência Brasil

São Paulo – Um grupo de cerca de 200 manifestantes, segundo a Polícia Militar, saiu em passeata no início da tarde de hoje (24) na Avenida Paulista, região central da capital. O protesto que pedia a saída do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), estava previsto para acontecer simultaneamente em 42 cidades em todo o Brasil e também no exterior.

Com dois dedos sujos de verde  e amarelo, o estudante João Calfat tentava animar os transeuntes a participar do protesto. Os que demonstravam simpatia à causa ganhavam duas listras pintadas com guache em cada bochecha, à semelhança dos caras-pintadas que protestaram contra o então presidente Fernando Collor na década de 1990. “Acho que a juventude tem que começar a se mexer, a lutar um pouco por um país mais justo”, disse.

Outros, como o analista de sistemas Wanderson Alves, preferiram o nariz de palhaço como símbolo da indignação. “Eu discordo bastante da situação do Brasil, da gente ter esses caras, o próprio Renan, com várias acusações, sendo eleito presidente do Senado. Por isso eu estou aqui, tentando convencer as pessoas para que a opinião do povo prevaleça sobre essas maracutaias”, ressaltou.

A estudante de serviço social Bianca Romão disse que ajudou a comprar as tintas e os narizes vermelhos usados na manifestação. Para ela, Renan não está apto para o cargo que ocupa. “Não é justo uma pessoa que foi acusada de peculato, falsidade ideológica e desvio de verba pública, ser presidente do Senado”, ressaltou, em referência à denúncia apresentada em janeiro pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel.

O atual presidente do Senado foi acusado por Gurgel de cometer crimes de peculato, falsidade ideológica e falsificação de documentos, por ter desviado verba de gabinete para pagar pensão a um filho.

Notícias Relacionadas