Vaticano diz que presença dos cardeais no conclave é obrigação

Agência Lusa

Brasília – O Vaticano disse hoje (22) que a presença dos cardeais no conclave para eleger um novo papa é uma obrigação absoluta, após várias associações contestarem a presença em Roma de cardeais envolvidos em escândalos de pedofilia. “É um dever, um ministério conferido aos cardeais. Sob nenhum pretexto eles podem faltar”, disse o porta-voz da Santa Sé, padre Federico Lombardi, durante um encontro com a imprensa.

Em vários países, como Estados Unidos, Bélgica e Irlanda, associações de antigas vítimas de padres pedófilos, que acusam a hierarquia da Igreja católica encobrir os alegados abusos, contestam a presença de alguns cardeais no conclave e defendem a ausência deles no colégio de votação, que irá eleger o sucessor do papa Bento XVI.

O principal alvo da contestação é o cardeal e ex-arcebispo de Los Angeles Roger Mahony, de 76 anos, acusado de ter encoberto centenas de acusações de abuso sexual de crianças e adolescentes ao longo de várias décadas.

O cardeal Mahony foi exonerado de “qualquer responsabilidade administrativa ou pública” pelo seu sucessor na arquidiocese de Los Angeles, o arcebispo Jose Gomez, que divulgou no início deste mês, por ordem judicial, milhares de páginas de documentos confidenciais sobre os cerca de 120 padres alegadamente envolvidos em casos de pedofilia.

A contestação também abrange outros participantes do conclave, como é o caso do antigo arcebispo da Filadélfia Justin Francis Rigali, do cardeal belga Godfried Danneels e do cardeal irlandês Sean Brady.

Notícias Relacionadas