Força Nacional de Segurança vai combater desmatamento ilegal na Amazônia

Carolina Gonçalves
Agência Brasil

Brasília – Na próxima semana, 180 soldados da Força Nacional de Segurança serão deslocados para reforçar os trabalhos de agentes ambientais no controle do desmatamento ilegal na Amazônia. O anúncio foi feito hoje (22) pelo presidente do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Volney Zanardi, em cerimônia de comemoração dos 24 anos do órgão.

“Vamos ter uma série de ações articuladas este ano. Acertamos, ontem (21), um processo de implementação do Batalhão Ambiental”, disse, destacando os diálogos mantidos entre os representantes do Ibama e de outras áreas do governo. O orçamento do órgão para atividades de fiscalização recebeu, este ano, um incremento de R$ 76 milhões, passando a mais de R$ 130 milhões.

” Tivemos um grande sucesso com os índice das taxas de desmatamento no ano passado. Bater a taxa do ano passado não vai ser fácil, mas temos que bater”, disse, lembrando que a articulação com outras áreas vai reforçar as atividades de fiscalização.A taxa de desmatamento por madeireiros ilegais na Amazônia Legal foi27% menor de agosto de 2011 a julho de 2012 em comparação aos 12 meses anteriores.

Ao relacionar os avanços conquistados pelo instituto nessa área, Zanardi disse que as operações coordenadas pelo Ibama ao longo de 2012 resultaram em arrecadações 23% maiores do que o volume totalizado em 2011, passando de R$ 225 milhões para R$ 323 milhões. Segundo ele, apenas em multas o incremento foi 55%.

A expectativa é que as arrecadações deste ano, ultrapassem a cifra dos R$ 400 milhões. “Isto nos garantiu mais recursos do orçamento e é um indicativo de que nossos processos começam a funcionar, desde a autuação, até a análise da procuradoria e da área técnica”, disse.

Zanardi apontou os avanços em outras áreas do órgão e disse que os resultados de setores como o de licenciamento ambiental vem garantindo um novo status ao Ibama. A questão ambiental tem sido tratada como componente essencial em políticas adotadas por todos os órgãos do governo.

“Nas questões relacionadas ao novo sistema de concessões de rodovias, portos e ferrovias, o Ibama tem sido chamado para participar da modelagem do novo sistema. Percebem a importância de como a questão ambiental tem que ser incorporada desde o momento do planejamento do processo e não depois que está tudo definido e então dizer ‘agora só falta a licença'”, disse.

Para a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, a incorporação da questão ambiental no planejamento de outros setores é o primeiro passo para a mudança de visão de desenvolvimento no país. “Isto não será visto, na totalidade, por nossa geração, mas pelas gerações futuras”.

Notícias Relacionadas