New Hit: ginecologista que confirmou desvirginamento de vítimas já foi ouvida.

Pagodeiros da banda New Hit chegam para depor (Foto: Imagem capturada/TV Bahia)
Salvador – A ginecologista que confirmou o desvirginamento de uma das vítimas dos pagodeiros da New Hit prestou depoimento hpje no Fórum Edgar Mendes de Quintela, na cidade de Ruy Barbosa, na primeira audiência que apura a suspeita de estupro que teria ocorrido dentro do ônibus da banda.

Os pagodeiros da New Hit foram denunciados por duas adolescentes de 16 anos. O crime aconteceu no dia 26 de agosto de 2012, após um show em uma micareta da cidade na cidade de Ruy Barbosa. A sessão de instrução foi presidida pela juíza Márcia Simões.

Segundo a TV Bahia, os advogados dos réus chegaram a solicitar a impugnação do depoimento da ginecologista, mas a juíza não acatou o pedido e deu prosseguimento ao relato. A segunda adolescente que teria sido violentada deve ser ouvida pela juíza na manhã desta terça-feira (19), por volta das 9h.

Testemunhas – Uma das adolescentes que fizeram a denúncia foi ouvida pela juíza em depoimento que durou cerca de três horas. Ela foi interrogada pela promotora de Justiça que pede a condenação dos suspeitos. A garota chegou ao fórum acompanhada da mãe, de uma representante do Programa de Proteção (PPCAM) e de advogada do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (Cedeca).

Um policial militar que atendeu as jovens e a ginecologista responsável pelo laudo médico estão entre as testemunhas ouvidas. Uma mulher cujo função no caso ainda não foi divulgada também prestou depoimento, durante a manhã. No total, 14 testemunhas de acusação e 32 de defesa devem ser ouvidos pela juíza, em três dias de audiências, que acaba na quarta-feira (20).

Prisão – Os nove integrantes da banda New Hit ficaram presos 38 dias no Presídio Regional de Feira de Santana e foram soltos no dia 3 de outubro mediante um pedido de habeas corpus. Junto com os integrantes da banda, um policial militar que fazia a segurança do grupo é suspeito de ter sido conivente com o crime. Todos eles, inclusive o PM, foram indiciados por estupro e formação de quadrilha no dia 25 de setembro.

Notícias Relacionadas