Manifestantes impedem exibição de filme sobre Yoani em Feira de Santana

Manifestantes de grupos comunistas protestam contra a presença de Yoani Sanchez em Feira de Santana (Mário Bittencourt/Folhapress)Os protestos nos aeroportos de Recife e de Salvador, na manhã desta segunda-feira, eram o prenúncio do que ocorreria mais tarde, no primeiro evento do programa da blogueira cubana Yoani Sánchez em solo brasileiro. Durante à noite, ela levou meia hora para ingressar no Museu Parque do Saber, em Feira de Santana, onde participaria da exibição de um documentário sobre a liberdade de expressão em Cuba e Honduras, do cineasta Dado Galvão.

Cerca de 80 manifestantes de movimentos de esquerda como a União da Juventude Rebelião, União da Juventude Socialista (UJS) e a Associação José Marti da Bahia cercaram o local onde seria exibido o filme. Com receio de que a quantidade de manifestantes provocasse tumulto, os organizadores do evento atrasaram a chegada da blogueira até que fosse formado um cordão de segurança por guardas municipais. A exibição do filme teve que ser cancelada.

Leia também:

Com mais de uma hora de atraso, Yoani e o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) entraram no auditório, vaiados e com muito empurra-empurra. O grupo só se acalmou depois do convite para participar de um debate não programado.

– Todos concordamos em ser contra o embargo econômico americano contra Cuba – disse Suplicy, no começo do discurso, para acalmar a plateia. – Não vejo por que questionarem tanto a Yoani Sánchez.

Logo depois, Yoani falou. Foi vaiada e aplaudida algumas vezes. Ela contou como criou o blog e por que escreve para denunciar repressões do governo cubano.

– Vivo numa sociedade onde opinião é traição. Um governo que censura a literatura, grampeia linhas telefônicas. Vejo o conflito entre o governo e o povo.

Depois, representantes dos outros movimentos discursaram e repetiram argumentos usados nos protestos feitos mais cedo. Defenderam o regime cubano, citando avanços sociais e criticando a dita falta de discurso de Yoani contra o bloqueio econômico americano. O assédio deixa claro que a viagem de 80 dias pelo mundo carregará um tom político, por mais que Yoani se diga “apolítica” e assegure ser filha da pós-utopia, cética em relação a partidos.

Blogueira faz pouco caso das ameaças de espionagem – Depois da divulgação pela revista “Veja” do suposto plano do governo cubano para seguir Yoani no Brasil, os organizadores da visita a Feira de Santana tomaram providências.

O quarto do hotel onde ela foi hospedada sofreu varreduras e a administração está avisada para redobrar a atenção. Seguranças foram chamados de última hora e estão prontos para serem acionados caso algo anormal aconteça no itinerário pela Bahia da viagem da cubana, que custou cerca de R$ 8,5 mil.

De toda forma, são preocupações que passaram, pelo menos aparentemente, longe da cabeça de Yoani, vencedora de prêmios internacionais de liberdade de imprensa. Sobre os brasileiros, disse que suas suspeitas se confirmaram: são parecidos com os cubanos, à exceção do quesito liberdade de expressão.

– Já me disseram que os brasileiros seriam como os cubanos, mas livres. Estou encontrando semelhanças, mas também um contexto de diferença. Há um marco de maior respeito, de mais liberdade, que não é total. O cubano está com máscara, sempre o amigo está te ouvindo para delatar.

No trajeto de uma hora e meia entre Salvador e Feira de Santana, Yoani pediu água e falou com jornalistas. Também foi informada de que sua conta no Twitter ganhou mais seguidores e que o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, havia retornado ao país depois de ter ficado internado em Cuba. Sobrou tempo ainda para conversar, por telefone, com a família:

– (A viagem está) o que você pode imaginar, mas minha alma está bem. Como está a criança? (o filho adolescente, Teo). Te quero muito, não gaste mais dinheiro. Tchau – despediu-se do marido, também ativista, Reinaldo Escobar. (O Globo)

Notícias Relacionadas

1 Comentário

  1. ptsauros

    pelo exagero da manifestação, parece que foi orquestrada. ESSES caras, do protesto, deviam saber que ideologias não comportam mais no mundo moderno. Já ereará

Comentários estão suspensos