G20 se reúne em Moscou em meio a temor de guerra cambial

 BBC Brasil/Agência Brasil

Brasília – Ministros de Finanças do G20 (grupo das principais economias avançadas e em desenvolvimento, do qual o Brasil faz parte) se reúnem em Moscou em meio a preocupações de que as principais potências comerciais do planeta se encaminham para uma “guerra cambial”.

O termo é usado para se referir ao fato de alguns países manterem suas moedas desvalorizadas de maneira artificial, tornando as exportações mais baratas e competitivas e provocando um efeito negativo em países com moedas mais valorizadas.

Os temores aumentaram pelos movimentos recentes do iene e do euro. Desde novembro passado, o iene caiu mais de 15% em relação ao dólar, resultado da política monetária.

No caso do euro, houve valorização de 6% em relação a uma cesta de moedas nos últimos seis meses.

Em ocasiões anteriores, o G20 já tinha pedido que os países evitassem intervir nos mercados.

No início da semana, o G7 (grupo das principais economias desenvolvidas) reiterou em um comunicado seu compromisso com taxas de câmbio determinadas pelo mercado.

Ontem (14) o ministro de Finanças da Rússia, Anton Siluanov, disse que o seu país, que recebe o encontro do G20, também está considerando a divulgação de uma declaração similar.

O encontro do G20 ocorre em um momento em que várias das maiores economias do mundo ainda lutam para recuperar o crescimento.

Dados divulgados ontem indicam que o Japão, a terceira maior economia do mundo, continua em recessão. O Produto Interno Bruto (PIB) encolheu 0,1% no trimestre encerrado em dezembro em relação aos três meses anteriores. Foi a terceira retração consecutiva do país.

Na Europa, a recessão também se aprofundou no último trimestre de 2012. A economia dos 17 países da zona do euro encolheu 0,6% no quarto trimestre, a maior queda desde o início de 2009.

As economias da Alemanha, da França e da Itália, as maiores da zona do euro, encolheram mais do que o esperado.

Esses resultados geraram temores de que os países que continuam a enfrentar dificuldades econômicas possam desvalorizar suas moedas para tentar impulsionar o crescimento.

Em uma reunião de ministros de Finanças da zona do euro, o representante da França, ministro Pierre Moscovici, disse temer que a valorização da moeda única esteja tornando os produtos da região menos competitivos, declaração que foi vista por alguns como sinal de que a União Europeia poderia cogitar medidas para desvalorizar artificialmente o euro.

Antes da reunião do G20, o presidente do Banco Central do Japão, Masaaki Shirakawa, disse que a instituição pretende manter sua política monetária.

“O Banco do Japão está conduzindo uma política monetária com o objetivo de alcançar estabilidade na economia japonesa. Vai continuar a fazer isso”, disse.

Notícias Relacionadas