Ferryboat “Ivete Sangalo” volta a quebrar e passageiros e veículos são transferidos

Ficar em conserto é uma rotina desde que o “Ivete Sangalo” chegou à Bahia, em 2008. O navio tem erros graves no projeto de construção, mas mesmo assim o governo, através da Seinfra e Agerba, desembolsou vultosos R$ 70 milhões para a TWB construir o “Ivete” e o “Anna Nery”. Tudo sem fiscalizar nada. E agora querem comprar até canoa da Tanzânia para o ferryboat….
REDAÇÃO DO JORNAL DA MÍDIA

Salvador – O ferryboat “Ivete Sangalo” voltou a quebrar, o que na verdade é uma rotina desde que a embarcação chegou à Bahia, em agosto de 2008. Depois de passar quase 24 horas em reparo no Terminal de São Joaquim, o “Ivete” retornou a tráfego ontem, à tarde. E hoje pela manhã, 10 minutos depois de deixar Bom Despacho com destino a Salvador, apresentou um problema elétrico no motor e teve que retornar. Os passageiros e veículos foram transferidos para o ferry “Rio Paraguaçu”.

Durante todo o mês de janeiro, o “Ivete Sangalo” não fez a travessia Salvador-Bom Despacho. Com um problema no eixo do sistema de propulsão, a embarcação ficou fora de tráfego, o que contribuiu bastante para que o sistema enfrentasse mais uma séria crise, chegando a ficar com apenas uma embarcação na travessia, em pleno Verão.

O JORNAL DA MÍDIA apurou junto ao Setor de Tráfego e Operações da Agerba, em Bom Despacho, que os passageiros e veículos que estavam a bordo foram transferidos ”sem problemas” para o “Rio Paraguaçu”. Contudo, usuários que estavam na fila de veículos esperando para embarcar enviaram vários e-mail e ligaram para o JM informando que a revolta fotal e que houve buzinaço.

A Agerba não se pronunciou oficialmente. O site da autarquia traz hoje a mesma informação de ontem: que o ferry “Ivete Sangalo” tinha retornado, o mesmo acontecendo com o “Pinheiro” e que o sistema ferryboat operava à tarde (de ontem) com cinco embarcações. No entanto, às às 13 hs de ontem o sistema tinha somente três navios em tráfego, o que causou uma enorme fila no Terminal de Bom Despacho, com tempo de espera para embarque de seis horas no mínimo – a Agerba, que não tinha nenhum fiscal na fila de veículos, disse que a espera foi de apenas três horas.

Problema crônico – Os constantes problemas enfrentados pelos ferries “Anna Nery” e “Ivete Sangalo” são crônicos. Esses dois navios, construídos pela TWB e vendidos ao Estado por mais de R$ 70 milhões, têm erros graves no projeto de construção, denunciados desde quando aqui chegaram pelo JORNAL DA MÍDIA. O principal erro está no sistema de propulsão. Por isso, as duas embarcações apresentam com frequência problemas de eixo e de motores, que resultam em paradas constantes para manutenção. Os dois faziam a travessia em 35 minutos e hoje, quando conseguem navegam, se arrastam e levam um hora para cumprir o percurso – tempo superior aos dos ferries antigos, alguns de 1972.

Tanto o “Ivete” como o “Anna Nery” foram vendidos ao Estado com preços superfaturados, conforme denunciou o JORNAL DA MÍDIA em 2009, o que foi comprovado somente no final do ano passado pelo Ministério Público da Bahia. Na construção dos dois navios cabia ao governo acompanhar e fiscalizar o projeto desde o seu início. A Agerba nunca fez isso e muito menos a Secretaria de Infraestrutura. E mesmo assim liberaram, deram o aval, para a TWB construir e embolsar os mais de R$ 70 milhões.

Leia também:

Notícias Relacionadas

5 Comentários

  1. Jaciara Santos

    Aí, colegas, EU estava no Ivete, embarque das 6h. Foi um transtorno. Fiz imagens dos carros saindo de ré e da chegada do ferry Rio Paraguaçu a Salvador, quase às 8h. Se quiserem, passo o link.

  2. Fedegoso

    Denúncias gravissimas. E ninguém punido. Os processos arrastando, sem fim, mas com começo. O prejuízo da comunidade passou batido aos olhos dos reguladores/fiscalizadores. Uma pena que o Brasil só tenha leis para pobres e negros, para desvalidos enquanto enriquece-se uma minoria. Não é à toa que o pobre, o miserável tanha cor (negro). Uma pena que os nossos presídios tenham cor, negra. Uma pena que a desigualdade latente vem dos tempos da colônia escravagista. Quando a república vai se fazer? Quando? E eu ficando velho, desanimado, sem esperanças, sem o direito de sonhar. Mas burro não sou.

  3. mario silva

    Sr. otto alencar,continua mentindo para os usuarios do sistema, ferry-boat, o rio paraguaçu segundo ele foi remotorizado,mais continua fazendo o percurso em 01:00h,as cadeiras continuam as mesmas,de novo so a pintura e a irresponsabilidade do governo.

  4. Fedegoso

    Os governantes não se veem como pessoas normais, se enxergam como se fossem deuses. Desprezam o povo, não dão bola para o povo e, o povo não sabe a força que tem. Eles não mentem, eles desconsideram a capacidade de indignação de todos nós. E parece que perdemos a capacidade nos indignarmos. Vejam só uma coisa: antes das eleições era comum as festividades, passeatas, caminhadas na orla de Salvador por grupos organizados. Todo sábado era a mesma coisa para quem ia às praias, ser bloqueado na altura do Jardim de Alá quando prepostos do governo municipal cercavam as ruas para que os caminhantes fizessem as suas amnifestações. Agora não, passadas as eleições, nem os evangélicos ali aparecem para louvar os seus santos deuses. E quem estava por trás das supostas caminhadas? Eram os políticos visando angariar votos. E conseguiram. Assim é o pessoal do ferry, os administradores, agora não precisam mais do povo, do usuário. E vão privatizar a coisa, sem audiências, sem mais nada. Também né, perdemos a capacidade de ter vergonha na cara. Tem gente que até ficou muda depois de receber umas gracinhas, segundo dizem as más línguas e confirmam as boas. Perto das eleições a intervenção. Depois…

Comentários estão suspensos