Geriatra desfaz mitos sobre a participação de idosos nos festejos do carnaval

Alana Gandra
Agência Brasil

Rio de Janeiro – Homens e mulheres idosos também podem e devem brincar o carnaval. Quem aconselha é o diretor da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), Salo Buksman. Segundo ele, a idade do indivíduo “não é contraindicação ao carnaval”. Todas as pessoas que se sentirem em condições e gostarem da festa podem participar.

Em entrevista à Agência Brasil, Buksman disse que alguns idosos às vezes sofrem pressão das famílias, que os desencorajam a sair alegando que estão muito velhos e que o tempo das brincadeiras já passou, ou que isso pode ser perigoso para eles. “É um equívoco. São mitos. As pessoas que se sentirem em condições, mesmo idosas, devem fazer o que têm vontade”.

Isso não significa, porém, que não devam ser tomados alguns cuidados. No caso de aglomerações, como blocos de carnaval, por exemplo, o médico advertiu que há perigo no sentido de o idoso perder a sua estabilidade, que é mais aguda nessa faixa etária.

“Porque o equilíbrio e a força muscular da pessoa idosa podem estar diminuídos, [se comparados aos de] uma pessoa mais jovem”. Segundo ele, para não correr riscos de queda, é recomendável ficar na periferia dos grandes blocos e agremiações. “Essa é uma medida básica de segurança”.

O médico lembrou que é desaconselhável também ficar de pé durante horas seguidas, porque algumas pessoas idosas, nessas situações, podem estar sujeitas à queda da pressão arterial. “Isso pode levar a a pessoa a sentir tonteira ou mesmo cair”. Por isso, de tempos em tempos, ele deve procurar se sentar para descansar, recuperar as energias. Ele sugeriu também o uso de meias elásticas para quem fica muito tempo em pé.

Outro cuidado essencial é com a hidratação adequada e constante que todas as pessoas, independentemente da idade, devem ter. Buksman destacou que q falta de ingestão de líquidos no carnaval é muito ruim. “Se todas as pessoas precisam ser corretamente hidratadas no carnaval, o idoso (precisa) muito mais, porque ele é muito sensível à desidratação”. O fato de não ingerir líquidos pode afetar os rins e o aparelho cardiovascular do idoso.

Por outro lado, a bebida alcoólica deve ser evitada no período do carnaval, disse Buksman, porque a pessoa idosa tem uma tolerância ao álcool diminuída em relação à pessoa mais jovem e isso pode fazer com que elas tenham tonteiras, náuseas e vômito. “Porque as pessoas tendem a exagerar durante as festividades e o álcool piora a desidratação”.

A alimentação deve ser leve, à base, principalmente, de carboidratos, como biscoitos e frutas, porque o idoso é mais sensível à hipoglicemia – a queda acentuada de açúcar no sangue. O médico recomenda que, ao sai para a festa, a pessoa idosa leve um biscoito ou fruta. Outro cuidado é evitar a exposição exagerada ao sol. Para solucionar o problema, o médico sugeriu o uso de filtros solares, principalmente no rosto e nos braços.

Sobre o sexo entre os idosos, tema considerado tabu por muitas pessoas, Buksman disse que a atividade sexual deve ser estimulada. “Sexo é uma afirmação de vida, aumenta a autoestima, é positivo sob todos os aspectos”. Disse que a precaução da camisinha tem que ser observada com rigor para home ns e mulheres idosos solteiros que venham, eventualmente, a fazer sexo durante o carnaval.

—-
Agência Brasil

Notícias Relacionadas