Ibedec alerta consumidor sobre cuidados com gastos excessivos no carnaval

Brasília – Com a chegada do carnaval, o clima de festa e alegria toma conta do brasileiro que logo pensa em viajar e curtir a folia em blocos ou trios elétricos. Para quem deixou os preparativos para última hora, o presidente do Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa das Relações de Consumo (Ibedec), José Geraldo Tardin, lembra que os pacotes já estão mais caros e que é preciso ter cuidado para evitar que o clima de festa “contamine” o orçamento do folião – que pode comprar por impulso e comprometer a renda de um grande período.

Ele destaca que é preciso fazer pesquisas e desconfiar de pacotes muito baratos, uma vez que pode se tratar de golpe. Também é preciso ter cuidado com o uso dos cartões de crédito e débito.

“Ele [o folião] não pode esquecer que o pagamento com o cartão de crédito é o mesmo que estar antecipando o salário. Uma pessoa que ganha R$ 5 mil e compra um pacote de carnaval de R$ 3 mil, em cinco vezes, precisa entender que está comprometendo R$ 600 (12%) do salário dos próximos meses”, alertou.

Além disso, o presidente do Ibedec lembra que, por ser início do ano, ainda há muitas contas a serem pagas. “É época de pagar o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), a matrícula, o material escolar, o transporte escolar. Tudo é agora, no início do ano.”

Ele reforça que o ideal é que a pessoa se organize antes de fazer a viagem nas férias ou no carnaval. “A melhor saída é a pessoa se organizar durante o ano todo para fazer uma viagem dessas. Se não planejar está prejudicado.”

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) também alerta para os cuidados com o endividamento durante o carnaval. “Antes de pensar na forma de pagamento da viagem no carnaval, o consumidor deve avaliar se tem condições de arcar com os custos do divertimento.”

Para a diretoria de educação financeira da Febraban, muitas vezes, na empolgação das festas, as pessoas saem e utilizam os créditos disponíveis sem pensar no impacto que isso terá no orçamento.

A recomendação é que ao decidir viajar de última hora, todas as despesas sejam colocadas no papel, como alimentação, transporte, festas, fantasias, hospedagens e até mesmo os pequenos gastos, como lembrancinhas para os parentes.

Para quem decidiu viajar de última hora, a Febraban dá algumas dicas para ajudar o consumidor a não comprometer muito o orçamento doméstico. Entre elas está a compra de passagens para a madrugada, nos voos conhecidos como “corujões”, que são mais baratos. Consultar agências de viagens para pedir a ajuda de um profissional para encontrar passagens com preços mais interessantes ou comprar um pacote ou trecho de alguma desistência, por exemplo, também podem reduzir custos. A Febraban também sugere a comparação de preços de passagens entre avião e ônibus e o cálculo com os gastos caso a opção seja usar o carro da família.

Também é importante avaliar se vale a pena comprar ou alugar uma fantasia ou, até mesmo, customizar uma fantasia antiga, acrescentando novos acessórios, como fitas e lantejoulas.

Notícias Relacionadas