Dissidentes cubanos denunciam restrições para passaportes

AGÊNCIA ANSA

Havana – Um grupo de opositores cubanos denunciou restrições que estariam sendo impostas pelo governo de Raúl Castro a dissidentes que desejam tirar passaporte para viajar ao exterior. Desde o dia 14 de janeiro, estão em vigor novas leis migratórias que deveriam facilitar a saída do país.

Leia também:

Segundo Elizardo Sánchez, líder da Comissão Cubana para os Direitos Humanos e Reconciliação Nacional (CCDHRN), até agora somente um dissidente conseguiu utilizar seu passaporte para viajar para fora de Cuba, enquanto as autoridades se recusaram a entregar mais três passaportes a opositores.

Os documentos foram vetados para Angel Moya, ex-prisioneiro político; José Ferrer Garcia, porta-voz da União Patriótica Cubana; e Gisela Delgado Sablon, responsável pelo projeto Bibliotecas Independentes.

O único dissidente que conseguiu sair até agora da ilha é Eliecer Avila, que viajou para a Suécia, convidado a participar de um encontro sobre o futuro político de Cuba.

Sánchez explicou que “um alto funcionário do Ministério do Interior” disse para Gisela Delgado que ela não tinha direito a obter o passaporte porque seu nome estaria em uma lista de pessoas que fariam partes de “grupos contra-revolucionários”.

Recentemente, a blogueira cubana Yoani Sánchez, autora do site Generación Y, comemorou ter recebido seu passaporte. Ela, porém, ainda não deixou Cuba, mas pretende viajar em breve ao Brasil.

AnsaLatina

Notícias Relacionadas