Arquidiocese do Rio celebra missa em memória das vítimas de incêndio em Santa Maria

Nielmar de Oliveira
Agência Brasil

Rio de Janeiro – A Arquidiocese do Rio de Janeiro celebrou hoje (2) aos pés do Cristo Redentor, no Corcovado, zona sul da cidade, uma missa em memória dos jovens que morreram na tragédia ocorrida na madrugada do último domingo (27) na cidade gaúcha de Santa Maria. A Boate Kiss pegou fogo, causando a morte de mais de 230 pessoas, a maioria estudantes de faculdades da região.

A missa foi celebrada pelo arcebispo do Rio de Janeiro, dom Orani Tempesta, e contou com a presença de centenas de turistas de várias nacionalidades, que aproveitavam o domingo de sol para conhecer o Cristo Redentor e apreciar uma das mais belas paisagens do mundo.

Entre os presentes estavam a chefe de Polícia Civil, Marta Rocha, e o secretário estadual de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, que representou o governador Sérgio Cabral. Ele aproveitou para fazer um alerta sobre a forma como vem sendo encarada a questão da segurança nos espaços públicos de diversão existentes na cidade.

“Eu acho que é preciso aproveitar este momento de dor para que as autoridades responsáveis possam sentar e colocar em prática a legislação já existente e que é muito boa. Mas eu acho que se precisa fundamentalmente de duas coisas: mecanismos e maneiras de fiscalizar todos os estabelecimentos públicos do Rio de Janeiro e os eventos aqui realizados e, fundamentalmente, levar em consideração possíveis flexibilizações de forma que sejamos racionais e que possamos utilizar esses mecanismos existentes para preservar a segurança das pessoas.”

Acompanhado da família, Beltrame, que nasceu e viveu boa parte da vida em Santa Maria, disse que a celebração da missa foi uma forma de prestar uma homenagem às vitimas da tragédia do último domingo. “A missa foi uma maneira que o Rio de Janeiro, o Brasil e o mundo – porque há também aqui pessoas do mundo inteiro e também de outras partes do país – encontraram para prestar solidariedade e homenagear esses jovens que se foram tão cedo. Espero que os exemplos e a alegria deixados por esses jovens sirvam de força para que a cidade continue com a sua vocação de ser um centro cultural de referência para todo o país”.
Para dom Orani Barbosa, nada mais justo que o Rio de Janeiro – que neste ano de 2013 é considerada a cidade da juventude, porque em meados do ano vai sediar a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), – preste uma homenagem às vitimas da tragédia de Santa Maria.

“É importante esta solidariedade que está sendo prestada neste momento, neste local, que também marca a Jornada Mundial da Juventude, cujo símbolo tem um redentor no coração. Então é importante nos colocarmos junto com todo o Brasil ao lado dos famílias desses jovens de Santa Maria. Cabe ressaltar também, neste momento de muita dor, os gestos de solidariedade e de heroísmo que pudemos presenciar no momento da tragédia e que tantas vidas conseguiram salvar.”

A missa em memória dos que morreram na tragédia de Santa Maria foi celebrada com a participação do padre Antonello Sio, da Diocese de Palestrina, na Itália, que recebeu das mãos de dom Orani uma imagem de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, e uma miniatura do Cristo Redentor.

Notícias Relacionadas