Usuário paga ”herança maldita” da TWB: ferry tem espera de cinco horas.

REDAÇÃO DO JORNAL DA MÍDIA

O usuário do sistema ferryboat é quem está pagando caro pela verdadeira ”herança maldita” deixada pela concessionária paulista TWB, que sofreu intervenção do Estado. A empresa deixou os navios completamente sucateados e com apenas três em condições de tráfego, mesmo assim operando precariamente. Resultado: mais de cinco horas de espera na fila para quem tentou fazer a travessia entre Salvador e a Ilha de Itaparica.

Apesar dos esforços da equipe da Agerba para manter os três navios operando, às vezes é impossível. Isto porque, por falta de manutenção, as embarcações não resistem muito tempo em tráfego e quebram. Foi o que aconteceu com o “Ivete Sangalo”, que teve que ser retirado de tráfego anteontem.

E também com o dose-dupla “Juracy Magalhães”. Este por um problema de estabilidade. Com a ”reforma” feita pela TWB, o navio voltou a operar em abril do ano passado sem as condições ideais. Em períodos de mar agitado e ventos fortes, como vem acontecendo nos últimos dias em Salvador, o “Juracy” não consegue atracar em Bom Despacho.

O erro absurdo de projeto cometido na TWB foi denunciado dia 2 de maio de 2011 pelo JORNAL DA MÍDIA. Ao promover modificações no ferryboat “Juracy Magalhães Jr.”, a TWB deixou o comandante da embarcação completamente “cego” para realizar com segurança as manobras de atracação. E mais: o lastro do navio recebeu nada menos que 110 toneladas de pedras.

O ferry “Juracy” levou nada menos que 18 meses para ser reformado pela TWB e Agerba (Agência de Regulação da Bahia), na época, não fiscalizou os serviços. Com as mudanças feitas no projeto original desse navio, a cabine de comando ficou menor devido à construção de um convés novo de passageiros na parte superior da embarcação. Com a cabine de comando menor, o comandante deixou de enxergar a proa e a popa e perdeu também a visibilidade do boreste (lado direito) e do bombordo (lado esquerdo) da embarcação.

As 110 toneladas de pedras (paralelepípedos) no lastro da embarcação tem o objetivo de promover o ”equilíbrio” e a ”estabilidade”.

Problemas vão continuar – É bom que o usuário do sistema ferryboat fique atento e se prepare, pois os problemas operacionais não vão acabar logo. Com dois ou três ferries funcionando, é impossível o atendimento da demanda sem que ocorram atrasos. A Agerba, que na verdade não tem culpa porque a situação dos navios é verdadeiramente caótica, tem que saber passar para a opinião pública o quadro real.

Não pode apenas a agência dizer que vai docar dois navios na Base Naval de Aratu, como fez ontem em uma nota de apenas duas linhas, sem divulgar detalhes, como a situação em que as embarcações se encontram, o prazo de duração da docagem, o gasto que o Estado terá que ter por conta do sucateamento e os serviços que serão realizados. Não se cobra aqui dos interventores conhecimento profundo do sistema ferryboat. Mas pelo menos eles devem ter sensibilidade para a importância do sistema, que na verdade é um transporte de massa.

E mais: a Agerba tem que pedir mesmo paciência ao usuário, de forma clara, transparente. Não tem outro jeito. Vamos divulgar um boletim diário, Agerba, dirigido aos usuários. É uma coisa simples, sem custo. A internet está aí, vamos utilizar as redes sociais. Nesse momento difícil é imprescindível que a opinião pública seja informada com precisão e eficiência. Do contrário, em pouco tempo o povo vai cobrar do governo e vai jogar a culpa toda na agência de regulação.

E o dono da TWB, o Pinto dos Santos, vai ficar lá do Guarujá tirando onda e dando risada pelo dinheiro que caiu em sua conta nos últimos sete anos. Aliás, o secretário Otto Alencar prometeu presentear o Pinto com uma algema e não cumpriu. Era assim que ele devia ter saído da Bahia: algemado.

Notícias Relacionadas

11 Comentários

  1. FONSECA

    O JORNAL DA MÍDIA TÁ MORDIDO. TIROU UMA BOSTA PRA BOTAR OUTRA KAKAKA

  2. Vicente de Paula

    O Pinto dos Santos vai ficar numa boa no Guarujá porque o Governo Wagner assim desejou, demorando um século para intervir na TWB, submetendo os usuários a um castigo desnecessário. Publiquei nota no Espaço do Leitor de A TARDE de quinta-feira 27 falando sobre a atuação de Jayme Rangel, o verdadeiro mentor intelectual dessa trama criminosa para tomar dinheiro do Governo da Bahia. Queremos saber por onde ele anda. Hoje, sábado, tive conhecimento através de amigos que ele foi visto sexta-feira à noite, embriagado, num bar do Hotel Pestana, carregando uma pequena bala. Teriam visto ele abrindo a mala com certa preocupação como se carregasse algo valioso, possivelmente grande quantia em dinheiro. Verdade ou não esses fatos precisam ser investigados.

  3. Lenise Ferreira

    Sr. Fonseca, como usuária também sofri estes dias por falta de embarcações. Mas, não me arrependo da luta que travei com o apoio incondicional do Jornal da Midia que ao longo destes anos de sofrimentos causados pela TWB aos usuários do sistema Ferry Boat, foi o único meio de comunicação que sustentou até o fim uma postura séria, verdadeira e transparente.

    Não isento o GOVERNO DO ESTADO da responsabilidade pelo caos que aí está. Houve permissividade, benevolência e muita omissão. Mas, também não posso deixar de concordar que, diante dos absurdos cometidos pela TWB, hoje, a caducidade do contrato tornou-se inquestionável e os prejuízos serão menores para o Estado que neste momento demonstra estar trabalhando seriamente para melhoria do sistema.

    Desejo agora que a SEINFRA E AGERBA sejam enérgicos também na adoção de medidas emergenciais e obviamente seguras para resolver os problemas que continuamos a enfrentar por precisar daquele meio de transporte. O desenvolvimento sócio econômico de toda a região depende daquele transporte e pior seria se não pudessemos contar de forma alguma com as lanchas que a TWB tanto perseguiu.

    Até agora, só vi reclamar da mudança quem se sente pessoalmente prejudicado porque perdeu apoios a campanhas políticas, perdeu o estacionamento gratuito, as gratuidades, receiam não poder mais embarcar na prioridade. Ao que me consta, quem tem por direito estas regalias continuará a desfrutar a exemplo de policiais lotados na Ilha e devidamente cadastrados em serviço. Estes não terão porque lamentar por termos “infernizado” a TWB como já me foi dito. Só quem depende daquele transporte poderá entender as razões desta luta.

    Não é hora de rir do que esta acontecendo nem de se vangloriar pela queda da TWB. É hora de arrumar a casa e resgatar o direito constitucional do cidadão de ir e vir, o direito a dignidade que foi também roubado pela concessionária que saiu.

    Se, a SEINFRA E A AGERBA negligenciar em relação às suas obrigações, voltaremos a cobrar pelos meios judiciais cabíveis. Por enquanto, é preciso um pouco mais de tolerância e paciência.

  4. Rodolfo

    A Agerba queria tanto tirar a TWB, e agora nao tem capacidade de tocar o sistema? Kkkkkkk! O dono da twb vai rir mesmo pois estao mostrando que nao sabem nada, nem dar manutencao nos barcos, e o povo que fique 5 horas na fila??

  5. MARIO SILVA

    Se chegamos a esta situação,foi por pura falta de responsabilidade dos governantes passados pelo governo do sr.Paulo Souto,até o atual,que nao se preocuparam em renovar a frota,nesse periodo nenhum barco novo foi encorporado a frota,agora é facil atribuir todas as mazelas do sistema ferryboat a TWB,não sou defensor da citada empresa.Porque a AGERBA não aluga barcos como fez a COMAB, quando trouxe o navio BAHIA DE TODOS OS SANTOS, e CATAMARÃ MORRO DE SÃO PAULO,os usuarios não podem pagar o preço pelos desmandos administrativo dos nossos governantes.Aproveito tambem para saber o porque das tarifas aos sabados, domingos e feriados,sofrerem reajustes.

  6. Henrique

    pelo que acompanho dessa picaretagem da TWB, o jornal da mídia apenas cumpriu o seu papel ao apontar os demandos praticados, além de defender um transporte melhor para os usuários. se o serviço não melhorar, não é problema de vocês e esse leitor Fonseca parece que é um deles, da turma da corrupção que meteu a mão no dinheiro do povo.

  7. antonio borges

    Até o jornal da mídia? Se houve irresponsabilidade de governos passados e presente, por que manter o atual sistema sucateado? Por que não compram novos ferries? Por que não exigem mais nos contratos? Por que? Por que? Por que temos de perguntar tanto e não encontrar respostas? Por que não dão solução? Falta administração ou política efetiva?

  8. Silvolnei

    Lá vem de novo! Por quanto tempo falaremos em herança maldita? Prá mim isso é incompetência. Não tem outro nome. Aliás, qualquer outra empresa que herdar o sistema vai acabar assim, como a própria Agerba, que é também incompetente. O fato é que as embarcações estão sucateadas e a manutenção é cara. Essa atividade tem que ter subsídio.

  9. Ricardo

    Via iPhone – E ainda vem o tal do Silvonei falando em subsídio pro ferryboat. Se não bastasse o dinheiro que os caras levaram, ainda tem gente querendo que o governo coloque mais dinheiro no bolso dos larápios. Vá procurar o que fazer. Este aí deve ser acionista da TWB.

    O diretor da Agerba devia era botar metade desse pessoal daqui que não faz nada lá no ferry boat pra tomar sol, fica inventando projetos, é projeto crescendo, é projeto menor, é festa e tudo pra arrumar uma ”ocupação”. um bocado de gente q se locupetra assim com essas criações… gente que ganha pontinha como pode, é produzindo vídeo, cartazes, brochuras pra jogar o dinheiro do cidadao no lixo, é ouvidoria que vive de cabide de emprego, pode ligar aí e registrar uma queixa não resolve nada, um manguezal, que pq nao resolve nada nada. manda esses pessoal trabalhar Dr. Pessoal manda tomar sol na cara bota plantão neles nos navios pra ajudar na limpeza que é melhor.

  10. Pablo

    atenção dr. otto alencar: quando for entregar a algema ao Pinto da TWB não esqueça de reservar algumas para uns espertalhões da agerba que sempre trabalharam auxiliando o dito cujo da TWB, vazando informações internas, escrevendo defesas, contribuindo de alguma forma pra corrupção.

    Não esqueça não Dr. otto. tem muita gente assim verdadeiros camaleões, que espalham que são do governo e por trás ficam mamando como aconteceu com a TWB. Muita gente Dr. Otto levou dinheiro dentro da agerba, muita gente mesmo. procure investigar desde que foi feito o contrato até hoje se possível mande a polícia tomar umas informaçãozinha com o dono da TWB que ele vai terminar abrindo o bico.

  11. Gentil

    Comentário que circulam dentro dos terminais da defunta TWB e da Seinfra e do Derba também falam que se o governo quisesse já tinha estourado esse escândalo de uma vez porque o diretor da agerba já descobriu outras falcatruas com depósitos nas contas de um bocado de gente feito pela TWB. bastava divulgar e ponto final. vamos ver se o governo tem coragem porque a relação é imensa.

Comentários estão suspensos