Joaquim insinua que Marco Aurélio não precisou estudar para ser ministro

CLÁUDIO HUMBERTO

Relator do processo do mensalão, o ministro Joaquim Barbosa rebateu as críticas do ministro Marco Aurélio, que questionou em duas ocasiões, a futura gestão do relator à frente da Suprema Corte. Barbosa, que assumirá o comando do Supremo Tribunal Federal em novembro, chegou a procurar o presidente, Carlos Ayres Britto, para reclamar das declarações do colega. “Quem esse cara [Marco Aurélio] pensa que é?”, perguntou.

Marco Aurélio interveio na defesa do revisor, Ricardo Lewandowiski, durante o julgamento do mensalão, e pediu a Barbosa que “policie sua linguagem”. Pouco antes do início da sessão, Marco Aurélio indagou a jornalistas se Barbosa terá condições de comandar a mais alta corte do país com seu temperamento forte. “Como é que ele (Barbosa) vai coordenar o tribunal? Como vai se relacionar com os demais órgãos e demais poderes?”

O relator do processo do mensalão, em resposta divulgada mo jornal O Globo, insinuou que Marco Aurélio não tinha estudado o suficiente para chegar ao cargo, mas se valido do parentesco com o ex-presidente Fernando Collor, que o nomeou. “Ao contrário de quem me ofende momentaneamente, devo toda a minha ascensão profissional a estudos aprofundados, à submissão múltipla a inúmeros e diversificados métodos de avaliação acadêmica e profissional. Jamais me vali ou tirei proveito de relações de natureza familiar”.

Barbosa afirmou também que Marco Aurélio costuma ser um problema para todos os presidentes do STF. E ressaltou que obedece às regras de convivência aprendidas não apenas nos livros, mas na vida. (Coluna de Cláudio Humberto)

Notícias Relacionadas