Brasil volta a usar estrelas para classificar qualidade de hotéis

Pedro Peduzzi
Agência Brasil

Brasília – O uso de estrelas para a classificação de hotéis e outros tipos de hospedagem está de volta. Com a ajuda do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), o Ministério do Turismo passará a classificar  hotéis, flatsresorts, hotéis fazenda, pousadas, cama & café e hotéis históricos por estrelas – variando entre uma e cinco – de acordo com a estrutura e a qualidade dos serviços oferecidos. Hoje (25), 19 empreendimentos foram os primeiros a receber a certificação.

“Há outros 70 empreendimentos cuja avaliação [pelo Inmetro] ainda está em andamento e devem ser finalizados em no máximo 60 dias”, disse o diretor de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico da Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Ítalo Oliveira Mendes. Ele explica que a adesão à classificação é voluntária, mas a liberação do uso das estrelas passou a ser exclusiva do Ministério do Turismo.

“No passado, essas estrelas eram usadas com a chancela do Estado, mas isso passou para a iniciativa privada e acabou caducando. Agora, estamos retomando a exclusividade dessa marca, mas com critérios de qualidade mais modernos”, informou Mendes. “Será também um instrumento de competitividade [entre as hospedagens]”, acrescentou o ministro do Turismo, Gastão Vieira.

A expectativa do diretor do Inmetro, Paulo Coscarelli, é que até o fim do ano 118 empreendimentos tenham a certificação, somente no Rio de Janeiro.

“O Rio de Janeiro é um caso a parte porque o governo brasileiro precisa cumprir um compromisso assumido com o COI [Comitê Olímpico Internacional], em função dos Jogos Olímpicos de 2016”, justificou Coscarelli.

Segundo o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis, Fermi Torquato, o processo de avaliação estabelecido no Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass) terá a adesão de 5,5 mil hotéis até o final de 2013. “Em um primeiro momento, estimamos que desperte o interesse de 3,8 mil. Vamos fazer campanhas de esclarecimento para ampliar esses números”, disse.

Apesar de ter atualmente cerca de 200 fiscais para avaliar os empreendimentos inscritos no SBClass, o diretor do Inmetro, Paulo Coscarelli, acredita que será possível dar conta da demanda que está por vir. “Estamos capacitando nosso pessoal há dois anos, nos preparando para atender a essa demanda. Além disso, há a possibilidade de envolvermos outros órgãos, como o próprio Ministério do Turismo”, disse Coscarelli.

Notícias Relacionadas