Hotelaria: Complexo Iberostar cresce na Bahia apesar da crise

Orlando Giglio: taxa média de ocupação deve superar 60% no acumulado do ano
Orlando Giglio: taxa média de ocupação deve superar 60% no acumulado do ano
Enquanto o setor hoteleiro da Bahia está em recessão, os resorts do complexo Iberostar, na Praia do Forte, litoral norte do Estado, estão conseguindo superar a crise no setor.

Segundo o diretor de Vendas e Marketing do grupo Iberostar para o Brasil, Orlando Giglio, no momento a taxa média de ocupação dos hotéis é de 55% e deve superar 60% no acumulado do ano. Ele estima que neste segundo semestre a quantidade de hóspedes deve aumentar cerca de 15% em relação ao semestre passado.

Quando o primeiro resort do grupo espanhol no Brasil — o Iberostar Bahia — foi inaugurado em 2006, 85% dos hóspedes eram estrangeiros. Atualmente, os turistas vindos do exterior representam pouco mais de 15% da ocupação do complexo hoteleiro. Naquela época, revela Giglio, havia oito vôos charters por semana da Europa para a Bahia. Hoje não há nenhum.

Leia também:

Para superar a brusca queda de frequência dos europeus, o executivo teve que usar da criatividade para manter a taxa de ocupação dos hotéis. Para isso, buscou atrair turistas brasileiros, o setor corporativo e investiu forte na captação de eventos. “Hoje os eventos correspondem a 33% da nossa ocupação”, destacou.

A jóia da coroa do setor de eventos do complexo Iberostar é o Centro de Convenções Castro Alves. Com capacidade total para atender até 3.200 pessoas, o conjunto oferece 14 salões de eventos, com equipamentos de alta tecnologia, bares, cozinha, camarim, toaletes e área de recepção. Os clientes têm ainda à disposição serviços de segurança, recepção, internet, telefonia, aluguel de equipamentos, som, posto médico, entre outros, todos cobrados a parte.

O Iberostar Praia do Forte é da categoria Premium Gold
O Iberostar Praia do Forte é da categoria Premium Gold
Outro equipamento oferecido pelo complexo é o Espaço Garcia D´Ávila com 1.500 m2 de área e capacidade para receber até 2.000 convidados, em formato auditório.

No momento, o grupo Iberostar aposta na internet para aumentar as vendas. A partir do lançamento do novo website (www.iberostar.com/pt/), em abril passado, as vendas online passaram a representar em torno de 5% da receita do grupo no Brasil.

Embora a Copa de 2014 esteja sendo vista como uma grande oportunidade para o setor hoteleiro, o executivo do grupo espanhol não esconde certa reserva sobre o assunto. Segundo ele, o evento vai durar apenas um mês e não vai ter muita influência nos resultados do complexo. “A Copa é um tirinho de 22 e não de escopeta”, frisou.

“Dispomos no Brasil das mais sofisticadas classificações de hotéis da rede: Iberostar Premium com o Iberostar Bahia, Iberostar Premium Gold com o Iberostar Praia do Forte e Grand Collection com o Iberostar Grand Amazon”, explica Giglio. Todas estas categorias operam sob o conceito expandido de “tudo incluído” do Iberostar, um serviço de alimentos e bebidas de alto padrão que inclui bebidas alcoólicas e não alcoólicas, atividades, entretenimento, minibar e acomodação.

[google-map-v3 width=”640″ height=”350″ zoom=”12″ maptype=”roadmap” mapalign=”center” directionhint=”true” language=”default” poweredby=”false” maptypecontrol=”true” pancontrol=”true” zoomcontrol=”true” scalecontrol=”true” streetviewcontrol=”true” scrollwheelcontrol=”true” draggable=”true” tiltfourtyfive=”true” addmarkermashupbubble=”false” addmarkermashupbubble=”false” addmarkerlist=”-12.550341666667,-37.987842{}2-default.png{}Complexo Iberostar Bahia, Bahia, Brasil” bubbleautopan=”true” showbike=”true” showtraffic=”true” showpanoramio=”false”]

Notícias Relacionadas