Cachoeira e Andressa terão direito a 12 horas por mês para fazer amor

Ver o marido era o principal desejo de Andressa. (Foto: Reprodução)
O contraventor Carlinhos Cachoeira já pode receber sua mulher, Andressa Mendonça, no presídio da Papuda – sempre às quintas-feiras, semana sim, semana não. A decisão favorável concedida pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) na segunda-feira confirmou o pedido feito pelo advogado Ney Moura Teles, para que Cachoeira e Andressa pudessem exercer o direito de amar.

– A visita íntima é um direito dele (Cachoeira) e de Andressa. Esse é o primeiro pedido de habeas corpus que eu faço que pede o direito ao amor. Claro que esse não é o único embasamento. Tem também o direito à dignidade da pessoa humana – afirmou o defensor de Andressa, nesta terça-feira.

Com o deferimento do pedido, o contraventor e a mulher poderão se encontrar quinzenalmente e ficarão juntos por seis horas, para a visita íntima. A próxima visita deve acontecer em 27 de setembro.

– A lei diz que o preso conserva todos os seus direitos não atingidos pela perda da liberdade. Além de ficar preso, ele ainda vai perder o direto de conviver com quem ama?

Nas visitas, ela seguirá as mesmas regras impostas a outras mulheres que visitam seus maridos na Papuda. Poderá levar comida, mas o advogado afirma não ter conversado com sua cliente sobre os preparativos de Andressa para o próximo encontro. (Flávia Pierry, O Globo)

Notícias Relacionadas