Militares do Exército invadiram quartel da PM na Bahia, denuncia capitão.

Um grupo com pelo menos 25 homens tentou invadir o quartel da Polícia Militar localizado na cidade de Caravelas, no extremo sul da Bahia, na madrugada deste domingo (16), segundo a polícia. De acordo com o capitão Luiz Cláudio, da PM, a situação foi iniciada após dois policiais abordarem um integrante do grupo que tinha sido denunciado por uma jovem, que alegou ter sido agredida por ele.

“Quando o policial foi se reportar, ele se apresentou como sargento do Exército. Junto, tinham vários militares, todos em um bar. O policial o informou que, se tivesse tido caso de agressão, iria conduzi-lo ao quartel. Os militares devem ter entendido que a condução iria ocorre naquele momento e iniciaram a agressão aos policiais, com cadeiras, mesas, capacetes, rasgaram farda, danificaram a viatura”, relatou o capitão da PM ao G1. Durante a briga, um policial atirou para o alto como advertência, mas, no ação, um dos militares ficou ferido de raspão, informou o capitão.

Segundo o capitão, os policiais deixaram o lugar, mas os militares correram atrás da viatura, tentando acessar o quartel. Os militares não chegaram a invadir o local, mas conseguiram resgatar um colega que estava preso por desacato à autoridade, que teria sido cometido em situação anterior, segundo comentou o capitão. “Bem antes, ele passou pelo quartel, que fica próximo à rodoviária, e jogou algo que estourou. PM o advertiu verbalmente e ele xingou o policial. Policial acionou a viatura, e, quando foi abordado, disse que era soldado do Exército. Ele estava embriagado”, explicou.

Ainda de acordo com o capitão Luís Cláudio, o envolvimento de militares do Exército com confusões na região é comum. “São muito corriqueiros na área. Eles fazem parte do destacamento, tem essa situação com a comunidade de Caravelas, brigas, se envolvem com meninas, os meninos ficam com ciúmes”, retratou. Os militares fazem parte da 1ª Companhia de Engenharia de Construção, do destacamento do 11° Batalhão do Exército.(G1)

Notícias Relacionadas