Wagner afirma que rompimento do contrato da TWB é assunto resolvido e sem retorno

Wagner não entende a polêmica sobre a saída da TWB da Bahia. Ninguém entende...
REDAÇÃO DO JORNAL DA MÍDIA

O governador Jaques Wagner considerou muito estranha a polêmica em torno do rompimento do contrato da concessionária paulista TWB com o Estado, que já está decidida. A TWB, que explora o ferryboat desde 2005 e assinou contrato em março de 2006, é acusada de praticar uma série de irregularidades desde que chegou à Bahia.

Wagner, que há três semanas tinha revelado que já tinha dado o ”xeque-mate” na TWB, confessou ontem a jornalistas:

“Esse é um assunto resolvido. Recentemente eu recebi o presidente da TWB (Pinto dos Santos) e disse que poderíamos resolver isso amigavelmente. O Estado não está numa situação confortável e tem o direito de romper o contrato. Esta não é a primeira nem será última vez que se muda uma empresa. Eu não sei porque a polêmica em torno disso”, sustentou o governador.

Leia também:

A polêmica ganhou corpo com a reunião, na última quarta-feira, numa reunião convocada pela Comissão de Infraestrutura da Assembleia Legislativa.

Lá estavam Eduardo Pessoa, diretor-executivo da Agerba, e Pinto dos Santos, dono da TWB. Pessoa abriu o verbo e contou tudo sobre os desmandos praticados pela TWB e decretou o fim do diálogo com a concessionária. Deu a TWB como fora do sistema ferryboat e chegou a chamar o dono da concessionária de mentiroso.

Alguns deputados, inclusive do PT de Jaques Wagner, como Rosemberg Pinto, e outros da base aliada, como Luiz Augusto e Sandro Régis, saíram em defesa da TWB, contrariando todo o resultado do trabalho feito pela Seinfra, Agerba, Ministério Público e Auditoria Geral do Estado, que comprovou que a empresa paulista não reunia a menor condição para continuar à frente do ferryboat, sob pena de levar o serviço a um colapso.

Sabe-se que o governador não gostou quando soube da posição de Rosemberg Pinto.

Notícias Relacionadas

4 Comentários

  1. Vanderley

    O governo esperou que os navios fosses sucateados pra tomar uma providência. Sucateamento signiifica recuperar os navios. Recuperrar os navios significa muito dinheiro. É isso aí. Muita gente vai ganhar dinheiro em cima. Uma vergonha uma falta de respeito. Wagner, uma tristeza.

  2. Cláudio Dias

    O governador não deve ter gostado mesmo da postura de Rosemberg Pinto. Mas, e daí? Rosemberg tá olhando o lado dele não o do governo e muito menos o do povo.

  3. luis andre

    eu ainda não entendo porque o aumento da passagens aos fins de semana e o governo não diz nada sobre isso

  4. Lenise Ferreira

    Sr. Luis André,
    na representação que protocolei no Ministério Público do Estado, este é um ponto questionado. De acordo com o TERMO DE CONCESSÃO firmado entre o Estado e a TWB, esta muito claro que, para haver cobrança diferenciada de tarifa, primeiro: deverá ser autorizada pela AGERBA. Segundo: deverá haver prestação de serviço diferenciado que justifique.

    Temos conhecimento que não existem serviços diferenciados e ao questionar a AGERBA e a TWB sobre isto as respostas eram sempre as mesmas: era preciso para manter o equílibiro financeiro do contrato. A meu ver, esta é claramente uma das cláusulas descumpridas pela TWB com anuência da AGERBA sim.

    Outra observação a ser feita em relação ao assunto é que os funcionários trabalham em regime de escala o que não justifica nenhum acréscimo salarial por trabalhar aos sábados, domingos e feriados. O combustível e demais despesas são as mesmas praticadas. Se, aumentam o número de travessias é por também aumentar a demanda. Assim, nada justifica o aumento na tarifa e isto foi abordado pelo Diretor Executivo da AGERBa na reunião na Assembléia Legislativa no dia 11/09. Ele citou ainda o decréscimo na tarifa paga na hora marcada que é comprada antecipadamente. Entendo que isto se estende também a quem utiliza o cartão SIBE, vc paga com antecedência sem nenhum desconto.

    Esta empresa veio aqui só para ganhar o dinheiro dela e literalmente afundar o patrimônio público.
    Espero que este tormento acabe e que a TWB devolva aos cofres públicos tudo que daqui levou.

Comentários estão suspensos