Cultura foi ‘pagamento à vista’ pelo apoio de Marta a Haddad

CLÁUDIO HUMBERTO

A posse da senadora Marta Suplicy no cargo de ministra da Cultura representou uma espécie de “pagamento à vista” ou “antecipado” pelo apoio dela ao candidato petista à prefeitura paulistana, Fernando Haddad. É dessa maneira que sua posse tem sido mencionada nos altos escalões do Partido dos Trabalhadores. Ela não aceitou negociar espaço na prefeitura somente no caso de Haddad vencer a disputa.

Dá cá, toma lá – Marta se recusou a negociar cargo no governo Dilma após a eleição municipal. Ou seu ministério saía logo ou não haveria apoio explícito.

Condição – Sob pressão, inclusive de Lula, que vetara sua candidatura a prefeita, Marta impôs a condição do ministério para se engajar na campanha.

À espera – Em conversas com Lula e Dilma, Marta lembrou que virou senadora, em 2010, na perspectiva de disputar a prefeitura ou virar ministra. (Coluna de Cláudio Humberto)

Notícias Relacionadas