Treze dissidentes políticos iniciam greve de fome em Cuba

AGÊNCIA ANSA

Havana – A dissidente cubana Marta Beatriz Roque iniciou hoje uma greve de fome com o objetivo de mudar a situação da dissidência “multiplicada por zero” e deter os excessos cometidos pelas autoridades de Cuba nos últimos meses.

Ao lado de Roque, outras doze pessoas espalhadas pelo país decidiram entrar em greve de fome. Entre as exigências do grupo está a libertação de Jorge Vázquez, cuja pena já foi cumprida, mas continua na prisão.

“Decidi declarar greve de fome a partir deste momento e que não seja permitida a assistência de nenhum médico”, disse Roque durante uma coletiva de imprensa em sua casa em Havana.

Durante o encontro, Roque culpou o governo cubano pela ausência de respostas e de “atropelar os direitos” da oposição. De acordo com a dissidente, a situação do grupo é “crítica”, sendo considerado pelas autoridades cubanas como “mercenários dos Estados Unidos”.

A opositora do governo assegurou que fará uma greve de fome, mas não de água. Em 2003, durante uma ofensiva repressora que ficou conhecida como “primavera negra”, Roque foi condenada a 20 anos de prisão. No entanto, foi libertada um ano depois, devido a problemas de saúde.

AnsaLatina

Notícias Relacionadas