Chávez diz que sua derrota pode gerar guerra civil na Venezuela

Hugo Chávez, que busca o terceiro mandato consecutivo, discursa em ato eleitoral no domingo, no Estado de Miranda (David Fernandez /Efe)
Hugo Chávez, que busca o terceiro mandato consecutivo, discursa em ato eleitoral no domingo, no Estado de Miranda
Pelo segundo dia consecutivo, o presidente da Venezuela e candidato à reeleição, Hugo Chávez, afirmou que uma vitória da oposição nas eleições de 7 de outubro provocará uma “guerra civil” e convidou até os “ricaços”-via de regra alvo de suas críticas- a votarem nele.

Leia também:

Chávez, que buscará seu terceiro mandato seguido de seis anos, é o favorito na maioria das pesquisas, como a de julho do respeitado Datanálisis que lhe dá 46,8% de intenções de voto contra 34,3% do candidato da oposição, Henrique Capriles, 40. Os indecisos são 18,5%.

O opositor, porém, está em empate técnico com o presidente em pesquisa de agosto feita pelo reputado Consultores 21: 47,7% contra 45,9%.

“Até aos ricaços que querem tranquilidade interessa que Chávez ganhe”, disse, em ato anteontem. “Será que uma guerra civil lhes convém? De maneira nenhuma. Isso só convém à extrema direita fascista encarnada pelo perdedor”, seguiu. “Chávez garante a paz, a estabilidade, o crescimento.”

Ontem, questionado sobre a tema, Chávez disse que a oposição é a verdadeira ameaça, já que, segundo ele, planeja aplicar “um pacotaço” econômico que desestabilizaria o país. A oposição nega a existência do plano. “Dizer que sou eu quem está ameaçando a Venezuela de guerra civil é inverter a realidade”, afirmou.

No ato de anteontem, transmitido pela TV estatal, Chávez também recomendou à “burguesia” que não tente questionar os resultados eleitorais nas ruas.

“Se pretendem sair a questionar [os resultados], pior para eles, porque as ruas são do povo, e não da burguesia. Se lançam seu plano B, nós lançamos o plano Che. […] Que se preparem para aceitar o inevitável”, disse.

A consultoria de risco Eurasia Group distribuiu ontem a clientes nota na qual diz que o governo “está aumentando o uso de táticas agressivas para reduzir o apoio” a Capriles. “Chávez segue favorito para vencer, mas a eleição parece cada vez mais competitiva”.

Enquanto Chávez se dirigiu aos ricos, Capriles falou aos pobres, fatia na qual o presidente lidera com folga.

Com muito menos espaço na TV -não há horário eleitoral gratuito, mas o governo segue tendo direito a spots gratuitos e cadeias obrigatórias-, o opositor exibiu propaganda nas emissoras privadas anteontem à noite prometendo manter e ampliar os programas sociais do governo. Capriles disse que vai distribuí-los a todos “independentemente da cor política”. Ontem, prometeu aumentar em 25% o salário mínimo em janeiro, chegando a R$ 1.162. (Folha)

Notícias Relacionadas