Torcida não poupa vaias à seleção brasileira no triunfo suado de 1 a 0 frente a África do Sul

A seleção brasileira de Mano Menezes obteve uma vitória apertada de 1 a 0 fente a África do Sul, no estádio do Morumbi, neste feriado de sexta-feira (7) e deixou o campo debaixo de vaia. O gol da vitória suada foi marcado por Hulk aos 29 minutos do segundo tempo.

O triunfo não apagou uma tarde que a Seleção gostaria de esquecer. A pressão da torcida paulista no Morumbi foi enorme. Mano Menezes foi o alvo principal, mas sobrou até para Neymar, principal jogador brasileiro da atualidade, acusado de “pipoqueiro” e vaiado ao ser substituído já aos 44 do segundo tempo. Leandro Damião, então, jogou sob gritos de Luis Fabiano.

O técnico Mano Menezes foi muito vaiado antes do jogo quando a escalação do time foi anunciada. Durante a partida, sentada no banco em quase todo o tempo, ouviu o coro de burro. Só o gol de Hulk, que entrou no lugar de Leandro Damião, amenizou o clima hostil criado pela torcida no Morumbi.

Na segunda-feira a seleção enfrenta a China em Recife. A torcida do Nordeste normalmente é mais tolerante com a seleção brasileira. Depende da seleção agora jogar melhor para tornar menos angustiante a tarefa do torcedor.

O Brasil iniciou a partida com a posse de bola e se movimentava para criar chances de gol, enfrentando a marcação sul-africana, no entanto, foram os Bafana Bafana que finalizaram com perigo primeiro, com Gaxa, aos 11 minutos, que tabelou com Ndlovu e bateu para a defesa de Diego Alves.

Neymar cobrou falta aos 16 e Dedé subiu para cabecear a bola, defendida pelo goleiro Khune. Depois, o santista fez o passe para Oscar arriscar o chute, por cima do gol. A Seleção buscava o ataque, mas não conseguia encaixar o último passe.

Ndlovu, lesionado, deixou o campo para a entrada do veterano Benni McCarthy. Aos 33, Rômulo bateu forte na bola, Khune não defendeu, mas nenhum jogador brasileiro apareceu para aproveitar o rebote. A pressão do Brasil continuou e Neymar desperdiçou mais uma boa oportunidade, após passe de Daniel Alves.

McCarthy, que havia entrado durante a etapa inicial, também se lesionou e Parker foi o seu substituto. A África do Sul tinha pouca iniciativa ofensiva, mas conseguia tocar a bola e conter a pressão brasileira em campo.

Leandro Damião tentou encobrir Khune, mas colocou a bola longe do gol. Depois, Chabangu dominou, fez o chute de fora da área e levou perigo para a meta de Daniel Alves. Aos quatro minutos, a África do Sul voltou a assustar, quando Parker dominou pela direita, driblou David Luiz e cruzou da linha de fundo para Dedé quase marcar contra.

A iniciativa ofensiva na etapa final pertencia mais aos Bafana Bafana, com o Brasil tentando equilibrar o jogo. Em jogada de perigo de Oscar, aos dez minutos, ele fez o passe para Leandro Damião acertar o lado de fora da rede. Neymar arrancou pelo meio, passou por dois defensores, mas chutou para a fácil defesa do goleiro sul-africano.

Parker bateu de longe aos 12 minutos e a bola passou perto do travessão. A Seleção Brasileira buscava pressionar mais, mas seguia sem conseguir encaixar as jogadas ofensivas. Na bola parada, Neymar levou perigo aos 24, com Khune se esticando para a defesa.

Aos 26, Neymar roubou a bola do zagueiro, dominou, fez o passe para Hulk tentar o chute cruzado e mandar longe do gol, Depois, Letsholonyane arriscou de longe, mas pegou mal na bola.

Aos 29 minutos, o Brasil abriu o placar. David Luiz recebeu na esquerda da área, fez o cruzamento, a defesa cortou e Hulk pegou o rebote para bater forte e marcar o gol brasileiro.

Neymar quase marcou o segundo, de cabeça, mas Khune conseguiu a defesa. Aos 37, Paulinho bateu de fora da área e mandou a bola longe do gol. Aos 40, mais uma vez Neymar chegou com perigo, acertando o lado de fora da rede.

Aos 43, Hulk fez a jogada, rolou para Oscar, mas este acabou não chutando. Na sequência, Daniel Alves bateu longe do gol. A África do Sul tentou reagir nos minutos, mas sem sucesso.

Na próxima segunda-feira (11), o Brasil fará mais uma amistoso, em Recife, contra a China.

Brasil 1 x 0 África do Sul

Local: Cícero Pompeu de Toledo (Morumbi), São Paulo;

Árbitro: Nestor Pitana (ARG);
Assistentes: Diego Bonfá (ARG) e Gustavo Rossi (ARG);

Brasil: Diego Alves; Daniel Alves, David Luiz, Dedé e Marcelo (Alex Sandro); Romulo (Paulinho), Ramires, Oscar e Lucas (Jonas); Neymar (Arouca) e Leandro Damião (Hulk).
Técnico: Mano Menezes.

África do Sul: Khune; Gaxa, Khumalo, Sangweni e Masenamela; Furhman (Mahlangu), Dikgacoi, Serero (Makulela) e Tshabalala; Chabangu (Letsholonyane) e Ndlovu (Benni McCarthy (Parker)).
Técnico: Gordon Igesund.

Gol: Hulk (BRA) aos 29 do segundo tempo

CA: Dedé e Marcelo (BRA); Gaxa, Khune e Chabangu (AFS)

Notícias Relacionadas