Preço da cesta básica sobe em 15 das 17 capitais brasileiras

Elaine Patricia Cruz
Agência Brasil

São Paulo – Em agosto, o preço da cesta básica subiu em 15 das 17 capitais brasileiras que são analisadas na Pesquisa Nacional da Cesta Básica, divulgada hoje (4) pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Segundo o Dieese, as maiores altas ocorreram em Florianópolis (10,92%), Curitiba (4,69%) e no Rio de Janeiro (4,09%). As únicas capitais onde houve queda foram Natal (-1,64%) e Belo Horizonte (-0,66%).

O aumento nos preços da cesta básica se deve, principalmente, à alta nos preços do pão francês, da farinha, do tomate e do açúcar.

No acumulado do ano, entre janeiro e agosto, todas as capitais apresentaram alta nos preços médios dos alimentos que compõem a cesta básica. Das 17 capitais analisadas, 11 apresentaram variações acima de 10%. No período, o maior aumento ocorreu em Aracaju (16,89%).

A cesta básica mais cara do país é a de Porto Alegre, que custa, em média, R$ 308,27. Em seguida, aparecem as de São Paulo (R$ 306,02) e do Rio de Janeiro (R$ 302,52). As cestas mais baratas são as de Aracaju (R$ 212,99), Salvador (R$ 225,23) e João Pessoa (R$ 233,36).

De acordo com o Dieese, o salário mínimo ideal, suficiente para a manutenção do trabalhador e de sua família e para suprir gastos com alimentação, moradia, vestuário, saúde, transportes, higiene, lazer e previdência, deveria ser R$ 2.598,78. Atualmente, o salário mínimo é R$ 622.

Notícias Relacionadas