PGE ainda não deu parecer sobre extinção do contrato da TWB e lentidão preocupa



Clique no Player e confira a gravação com Otto
Alencar, garantindo que a TWB não fica mais na Bahia.

REDAÇÃO DO JORNAL DA MÍDIA

Depois de 13 dias, a Procuradoria Geral do Estado (PGE) ainda não deu seu parecer sobre o processo de extinção do contrato de concessão da TWB com o Estado da Bahia. A demora da PGE está deixando dirigentes da Secretaria de Infraestrutura e a da Agerba preocupados, já que a situação do sistema ferryboat está se agravando, com os usuários sendo atendidos por apenas duas embarcações – seis navios estão quebrados e encostados nos terminais marítimos de São Joaquim e Bom Despacho.

E o quadro do ferry pode piorar: com o feriado prolongado de 7 de setembro, a tendência é que o sistema entre em colapso, já que a demanda de passageiros e veículos vai crescer e a TWB não tem a menor condição de atender a procura.

Em entrevista a uma emissora de rádio na última sexta-feira, o diretor-executivo da Agerba, Eduardo Pessoa, disse que todos os documentos solicitados à agência de regulação referentes ao processo aberto contra a TWB, já foram entregues à PGE.

“Agora é só aguardar a PGE se pronunciar. A TWB não tem mais condições de continuar operando o ferryboat”, comentou Pessoa.

O secretário de Infraestrutura e vice-governador, Otto Alencar, já tinha antecipado antes, conforme anunciou o JORNAL DA MÍDIA com exclusividade, na última quinta-feira (30), que a TWB é carta fora do baralho.

“A TWB não deu certo, não está dando certo e não vai continuar. Eu não acho que exista alguém na Bahia capaz de defender a empresa (a das três letrinhas). Quem é que defende que a TWB faz um bom trabalho? Será que existe algum usuário capaz de defender a TWB? Ninguém defende. Então vamos ter que mudar e é mudar para melhor”, sustentou o secretário.

Depois das declarações de Otto Alencar, diretores da TWB convocaram reuniões com funcionários da empresa, na tentativa de tirar da cabeça deles de que a empresa teria seu contrato rompido com o Estado.

Segundo informações chegadas ao JORNAL DA MÍDIA, um diretor ou assessor da TWB chegou a afirmar:

“Nós vamos para a Justiça. O secretário Otto Alencar não disse que a gente iria sair. Inventaram isso, coisa orquestrada”.

O JM reafirma as declarações enfáticas de Otto Alencar. O leitor pode conferir e comprovar o que o secretário garantiu no áudio acima. Basta clicar no player para ouvir. O vice-governador afirmou: a TWB não fica mais na Bahia.

“Acima dos interesses da TWB estão os interesses dos usuários do ferryboat”,sustentou Alencar.

  • Internacional Marítima assume o lugar da TWB no sistema ferryboat
  • Notícias Relacionadas

    1 Comentário

    1. Carlos Menezes

      é secretário . o sr. não pode mais recuar não. vai se desmoralizar de uma vez se recuar. pelo menos eu entendo assim.

    Comentários estão suspensos