Concessionárias calculam que fecharam 30% a mais em vendas com redução de IPI

 Agência Brasil

Brasília – Com o fim do prazo para comercialização de automóveis com o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) reduzido se aproximando, várias concessionárias vêm anunciando uma série de promoções. O desconto no tributo vale até o próximo dia 31.

Em Brasília, a Agência Brasil foi a cinco concessionárias para saber a expectativa dos vendedores sobre os últimos dias de IPI reduzido. Em quase todas, os vendedores dizem que houve aumento de cerca 30% nas vendas, nos últimos 15 dias. Eles esperam que a redução do imposto promovida pelo governo seja prorrogada.

“Eu espero que o governo mantenha a redução do IPI por mais tempo. A aprovação dos bancos [de financiamentos para compra de veículos] melhorou muito nas últimas semanas. Os bancos voltaram a ser mais flexíveis. Na última quinzena, as vendas aumentaram em cerca de 30%”, disse o vendedor Anderson Gustavo Rosa.

A consultora de vendas Daniela Ernesto revelou que os vendedores estão esperando que o fluxo de clientes aumente na próxima semana com a proximidade do fim do prazo da redução tributária. “Acho que amanhã [31] não teremos nem tempo de respirar. As vendas aumentaram bastante, cerca de 30%. Os clientes estão fazendo muita pesquisa antes de fechar um negócio para encontrar um preço menor”, estimou a consultora pelo fato de sábado ser tradicionalmente um dia movimentado nas concessionárias.

“Houve crescimento nas vendas, o mês foi bem forte. Quase atingimos a meta de vender 350 carros por mês. Até agora, já fechamos negócio em 328 carros. Nossa expectativa é superar a meta. Ainda está havendo muito problema com a aprovação de crédito. Aqui na loja, fizemos um convênio com o Banco do Brasil para facilitar a venda, mas a aprovação é facilitada quando o cliente dá uma entrada de 50% e financia os outros 50% em 24 meses”, relata o supervisor de vendas Hamilton Lustosa.

Os fabricantes têm conversado com o governo sobre a possibilidade de manutenção da medida. Na última quarta-feira (22), por exemplo, o presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), Flávio Meneghetti, disse que não recebeu sinalização do governo sobre uma possível prorrogação. Mas, segundo ele, o setor tem procurado mostrar ao governo que o IPI menor foi determinante para reverter resultados negativos em termos de vendas.

Segundo Meneghetti, no acumulado do ano, até o dia 21, as vendas de automóveis e comerciais leves cresceram 3,92%, em relação ao mesmo período de 2011. Foram 2,225 milhões de carros vendidos. Para ele, se a medida não for prorrogada, os números poderão não se manter.

Notícias Relacionadas