Musa da CPI está proibida de visitar Ccahoeira e vai pagar fiança de R$ 100 mil

Andressa é suspeita de chantagear o juiz Alderico Rocha, da 11ª Vara da Justiça Federal de Goiânia
Andressa Mendonça deixou a sede da Polícia Federal, em Goiânia, por volta das 12h15 desta segunda-feira (30). De óculos escuros e expressão triste, ela saiu na presença de advogados. Andressa tem prazo de três dias para pagar fiança no valor de R$ 100 mil, estipulada pela PF. De acordo com o delegado Sandro Paes Sandre, ela é suspeita de chantagear o juiz Alderico Rocha, da 11ª Vara da Justiça Federal de Goiânia. Conforme determinação da polícia, ela também não poderá ver o marido.

Andressa foi levada para PF nesta manhã. Segundo a polícia, o objetivo da chantagem seria obter uma decisão favorável ao marido, o contraventor Carlinhos Cachoeira, na ação penal referente à Operação Monte Carlo, que investiga o esquema de jogos de azar em Goiás.

“Se for comprovada a oferta, ela pode pegar de 2 a 12 anos de reclusão pelo crime de corrupção ativa e ficará presa na PF”, esclarece o delegado Sandre.

Em entrevista ao G1, o juiz Alderico Rocha contou que Andressa o procurou na quinta-feira (26), afirmando que teria um dossiê contra o magistrado e, em troca da não-publicação, teria pedido um alvará de soltura para Cachoeira.

Alderico Rocha foi quem conduziu a audiência, na semana passada, do processo referente à Operação Monte Carlo. O contraventor e mais sete são réus na ação penal. Todos ficaram em silêncio na audiência.

A Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão na casa de Andressa Mendonça, em um condomínio de luxo da capital, nesta manhã, e a conduziu à sede da superintendência da Polícia Federal . Durante cerca de três horas, ela prestou esclarecimentos em cumprimento a um mandado de condução coercitiva expedido pela Justiça Federal.

O G1 tentou contato com Andressa no celular na manhã desta segunda, mas ela não atendeu aos telefonemas. Seus advogados também não atenderam aos telefonemas. (G1/Goiás)

Notícias Relacionadas