Secretaria de Turismo explica confecção da maquete de R$ 1,55 milhão

A polêmica maquete de R$ 1,55 milhão
A polêmica maquete de R$ 1,55 milhão
REDAÇÃO DO JORNAL DA MÍDIA

A Secretaria do Turismo do Estado enviou ao JORNAL DA MÍDIA nota na qual explica o gasto de R$ 1,55 milhão realizado pela Bahiatursa para a montagem de uma maquete da Bahia, tema de matéria publicada no JM no dia 26 passado com o título “Maquete da Bahiatursa custa mais que a cobertura de Wagner na Vitória“. Segue a nota na íntegra:

“A maquete mostrada pela primeira vez ao público no Salão Baiano de Turismo constitui-se em uma obra de arte e técnica criada pelo maqueteiro Geraldo Suerdieck, para mostrar fisicamente a diversidade econômica, política e turística da Bahia. A peça foi visitada por praticamente todas as 10 mil pessoas que compareceram ao evento e foi um dos itens que mais agradaram no Salão. Há no Estado uma maquete semelhante, de Salvador, que foi confeccionada há mais de 30 anos e ainda hoje continua sendo exposta.

A maquete atual é uma peça que pesa 16 toneladas, sendo oito de estrutura de vidro e ferro e outras oito com o restante do material.

Além disso, o equipamento citado será a principal ferramenta de promoção da Bahia nos próximos anos, com exposição programada para os principais eventos de divulgação do Estado como destino turístico, a exemplo da Feira da ABAV, no Rio de Janeiro e a FIT, em Buenos Aires, na Argentina.

Além dos eventos turísticos, a maquete deve ser levada para exposições em locais como shoppings e espaços públicos com grande número de visitação, em estados e cidades considerados os principais emissores de turistas para a Bahia, como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, dentre outros.

A confecção da maquete proporcionará economia de recursos da Bahiatursa com a montagem de estandes nos eventos em que a Empresa Oficial de Turismo do Estado participará nos próximos anos.

Secretaria do Turismo do Estado da Bahia”

Nota da Redação: A nota oficial da Secretaria de Turismo explica as razões para o uso da maquete, mas não justifica seu alto custo. Só para efeito de comparação, a mais nova obra-prima tecnológica da Ferrari, o modelo 458 Itália, está à venda no Brasil por R$ 1,5 milhão, o mesmo preço que custou a maquete. Na Itália, o automóvel custa em torno de US$ 280 mil, isto é, pouco mais de R$ 580 mil.

Uma maquete, por mais sofisticada que seja, custar mais que um apartamento de luxo do Corredor da Vitória ou uma obra-prima da tecnologia automotiva é um despropósito. E o Estado pagar R$ 1,55 milhão por tal maquete é prova de acintoso ato de desperdício de dinheiro público.

Leia também:

Notícias Relacionadas

3 Comentários

  1. Paulo

    Tambem quero mamar na verba do governo da Bahia, quero, quero, quero….. como é bom mamar nas tetas do governo da Bahia….

  2. Maria Aparecida

    Como dizer que não há dinheiro no Estado? O que não existe mesmo é vergonha na cara dessa gente que controla e faz o que quer com o dinheiro público. A pobreza enorme que assola a população baiana, as instituições de ensino da rede pública e os seus hospitais, estes sim deveriam ser maqueteados em situação real para exposição turística, já que os visitantes não entram nos tais locais.

  3. jacy

    nada contra a maquete, nada contra o santo guerreiro etc. A questão está relacionada ao gerenciamento do Estado. Entre o santo e a mquete vão mais de três milhões de reais, enquanto a educação… No cinema, um verdadeiro fracasso de bilheteria levou no ano passado mais de trinta milhões de reais, enquanto a educação…

Comentários estão suspensos